CrossFit – Você sabe o que é?

O CrossFit é o esporte do momento. Com cada vez mais adeptos – inclusive entre os famosos, como os atores Celso Bernini, Débora Nascimento, Deborah Secco, Giovanna Antonelli, Nicolas Prattes e os cantores Ju Moraes e Lucas Lucco – os praticantes buscam saúde, qualidade de vida e um físico “em dia”. Alguns vips até investiram no ramo, como é o caso dos atores Bruno Gagliasso, sócio do box (e não academia) CrossFit Posto 9 (CFP9), e José Loreto, sócio do Gladius.

O precursor do CrossFit foi Greg Glassman que desde criança usou o esporte para recuperar a força, comprometida por conta da poliomielite. Nesse processo passou por várias academias. Insatisfeito com os exercícios nestes lugares, desenvolveu uma série de exercícios que mais tarde seriam os princípios do CrossFit, que estimula os movimentos simples e funcionais. Glassman começou a trabalhar como personal trainer,em 1995, abriu uma academia e também foi contratado para treinar o departamento de polícia da cidade. Com o aumento de trabalho, deixou de dar aulas particulares e passou a dar aulas em grupo e percebeu que isso era vantajoso tanto para os alunos quanto para ele. E, assim, nasce a comunidade CrossFit, que foi formalmente instituída em 2000. No Brasil, as primeiras iniciativas em torno do assunto começaram por volta de 2009; mas só cerca de 3 anos depois começou a ser melhor conhecido. Hoje os treinos de CrossFit são mais populares, talvez pela facilidade de adaptação que os exercícios promovem.

Difícil alguém que nunca ouviu a palavra “CrossFit”, mas nem todas sabem ao certo como funciona ou detalhes sobre os exercícios. CrossFit é um programa de treinamento e condicionamento físico, desenvolvido para melhorar as capacidades fisiológicas. “O objetivo do CrossFit é estimular as habilidades físicas das pessoas, como resistência respiratória, cardiovascular e muscular, flexibilidade, força, coordenação, potência, agilidade, equilíbrio e velocidade”, explica Carlos Klein, professor de Educação Física.

Os três princípios mais importantes dos treinos – que duram em média 50 minutos, divididos em aquecimento e WOD (Work Out of the Day ou “treino do dia”) – são: movimentos funcionais (parecidos com os movimentos diários, como por exemplo, descer escada); alta intensidade (para desenvolver o condicionamento físico); e a variação constante (exercícios diferentes todos os dias).

Quem pode praticar?

Desde atletas de elite, militares, jovens, adultos, idosos e até gestantes. “Quando se fala em CrossFit já se imagina que só superatletas com anos de experiência podem praticar, mas isso não é verdade. O treinamento admite qualquer pessoa, mas cabe ao coach ou treinador estimular as aptidões de cada um, bem como respeitar e administrar os limites”, afirma Klein. Idade também não é uma restrição. “Existem pessoas de 05 a 85 anos que praticam”, conta.

Vale ressaltar que em todos os casos é necessária a avaliação médica e o acompanhamento de um profissional qualificado, devido ao treino ser de alta intensidade, dinâmico e variado. “Qualquer tipo de esporte, se mal feito ou orientado, pode causar lesões”, lembra o coach. “E, em treinos intensos, pessoas sedentárias e com sobrepeso correm riscos ainda maiores. Nesses casos a orientação é também ter a liberação médica para a prática de exercícios e sempre respeitar os limites de cada um”, afirma Klein.

Para a prática do CrossFit muito se usa do próprio corpo, mas também se vale de acessórios como cordas, pesos, caixas, elásticos, correntes, entre outros, em alguns exercícios.

Quais os principais benefícios do CrossFit? Aumento da força física, da flexibilidade corporal, da autoestima, de energia; redução do estresse; redução do percentual de gordura corporal; previne lesões corporais e definição muscular. A estética também é uma consequência, mas secundária. “É normal os praticantes perderem gordura e ganharem massa muscular, mas nossa preocupação é ensiná-los a entenderem seus limites, ter disciplina, respeitar o próximo e trabalhar em equipe”, diz.

*Informações VGCom

Leia também

Leave a Reply